Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Publicidade



Regar com eficiêcia - Parte 1

por Muito Mais, em 07.05.09

1 - Tenha sempre em atenção o harário em que vai efectuar  a rega . Aconcelha-se que o faça sempre entre as dez da naoie e oito da manhã. Sendo este o periodo no qual ao dia é mais fresco, o que vai fazer com que a evaporação da rega seja menor e que op solo aborva instantaneamente a água.


2- Regue minuciosamente cada espaço, mas com menor frequencia possivel. Analise bem cada planta do seu jardim, conheça as suas exigencias nutritivas, e a sua tolerancia ao sol e  depois regues-as consuante as suas necessidades. Verifique sempre se algumas especies num canteiro variado apresentam desidratação e regue mais essas zonas.Se utilizar rega de mangueira, ou em espaços de menor dimensão um regador, verá que poupa água e pode oferecer a cada planta o tratamento ideal, pois o excesso ou escassez de água podem comprometer o seu jardim. Na relva deve ter mais cuiodado com as regas.


3- Em média, zonas de pequenos arbustos requerem cerca de 15 lt de água por semana, espaços com  arbustos d maior porte precisam de cerca de 30 lt de água por semana, as ´rvores cinco litros por  diametro, canteiros de flores necessitam de 15lt por semana. àreas relvadas exigem regas mais frequentes. Caso opte por um sistema de rega automático, tenha sempre em conta as diferentes zonas do seu jardim, para não acontecer encharcamentos.


Fonte: Campo & Jardim nº 9

Autoria e outros dados (tags, etc)


Jardim Botânico do Funchal

por Muito Mais, em 07.03.09

Desde o século XVII que a Ilha da Madeira ansiava por um jardim botânico, sonho que se tornou realidade em 1960. Situado a cerca de 3 km do centro do Funchal, na Quinta do Bom Sucesso, que pertencia à família Reid’s, reúne condições que lhe permitem ter uma vegetação exuberante.

Por todo o jardim são observáveis formas harmoniosas e cores contrastantes, onde podem ser vistas mais de 2000 plantas. O jardim Botânico pertence ao Governo e, para além de ser um belo espaço de lazer, é também um Centro de Ciência e Cultura.

Por todo o jardim podem-se ver plantas com as respectivas identificações, nas quais se descrevem os nomes científico e comum e a origem, plantas estas que se dividem em cinco áreas principais:
- Indígenas e Endémicas: este é o local ideal para se observarem plantas exclusivas da Ilha da Madeira e de outras ilhas do Atlântico tais como os Açores, as Canárias e Cabo Verde. Neste jardim estão representadas cerca de 100 espécies indígenas, que vão desde as que crescem nas encostas mais expostas da ilha até à típica vegetação e até às árvores que se desenvolvem na floresta natural da Madeira – a Laurissilva.
- Arboreto: aqui encontra plantas de zonas do Globo ecologicamente opostas, tais como plantas os Himalaias e dos tópicos.
- Suculentas: é a capacidade de armazenar água que distingue estas plantas originárias, na sua grande maioria, da América do Sul.
- Tropicais/Cultivares/Aromáticas/Medicinais: nesta área encontram-se diversas árvores de frutas tropicais e subtropicais, tais como o Mango, a Papaia, o Abacate, o Café, a Cana de Açúcar e ainda plantas usadas para cozinhar ou para a medicina popular madeirense.
- Loiro Parque: o Loiro Parque reúne algumas das aves mais exóticas e mais raras. As Catatuas e os Loricos das ilhas tropicais Asiáticas, os Periquitos Australianos, os Papagaios Anões, entre muitos outros, são algumas das espécies de pássaros que pode encontrar neste Parque.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Com este artigo vou demonstrar como criar ramos num determinado local. este método baseia-se numa característica das árvores, que aquando de um corte a árvore desenvolve a volta do corte novos rebentos para colmatar o ramo que ficou estragado. este método é normalmente utilizado em folhosas - no meu caso só experimentei nos aceres palmatum e tridente (neste principalmente)

Material necessário:

  • Uma árvore em boa saúde ;)
  • Um X-acto ou uma faca muito bem afiada
  • Pasta cicatrizante


novoramo1.jpgnovoramo3.jpg

Método:

O método é muito simples, só temos que fazer um corte em V no tronco onde queremos que os ramos nascem. Atenção que é sempre na parte debaixo que nasce os ramos.

Depois é só colocar um pouco de pasta no corte de cima (cuidado para não tocar na parte debaixo).

novoramo2.jpgnovoramo4.jpg

Dentro de algum tempo pequenos rebentos vão rebentar desta zona. por vezes só passado um ano é que rebenta (já me aconteceu pensar que não tinha resultado e no ano a seguir tinha uns 3 4 rebentos.)

 


Retirado do site: http://www.bonsai.aveiro.co.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)


Como ter borboletas no jardim

por Muito Mais, em 16.02.09

Ter borboletas no seu jardim, assim como pássaros, é uma relação de troca. Elas alimentam-se do néctar, e em troca ajudam na polinização. Também se alimentam de frutos e da seiva que se solta de algumas árvores.
As lantanas, maria-sem-vergonha e as sálvias são as preferidas das borboletas. O ideal é que as flores tenham cores vivas com amarelo, laranja, rosa, roxo ou vermelho.
O segredo é ter as flores sugeridas para abrigar as lagartas, antes de virarem borboletas adultas. Quanto às lagartas, apesar de comerem partes das folhas, não chegam a causar grandes prejuízos. O máximo que podem causar é um desfolhamento das plantas, o que raramente mata as plantas. O dano é pequeno e as plantas brotarão de novo na próxima florada.


Anote:
Colocar bananas ou abacaxis passados em comedouros ou próximos às árvores ajuda a atrair espécies frugíforas (que comem frutos); Gramados são úteis para as borboletas botarem seus ovos nas ervas que nascem em meio às suas folhas.

 

Retirado do Site: http://www.floresejardins.com/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Janeiro
- Instalar estacas de folha de begônia-rex e violeta e estacas de galho de brinco-de-princesa, gerânio e roseira.
Florações: agapanto, alamanda, angélica, bela-emília, boca-de-leão, copo-de-leite, dália, magnólia branca, pau-de-tucano, pau-ferro, sálvia.

Fevereiro
- Fazer mudas de galhos.
Florações: esporinha, estrelítzia, lírio, margarida-branca, mil-folhas, paineira, quaresmeira.

Março

- Bom para enxertos em roseiras. Retirar da terra os bulbos de plantas que já secaram.
Florações: anêmona, capuchinha, castanha-de-macaco, manacá-da-serra, saudade, zínia.

Abril
- Fazer mudas de galho de comigo-ninguém-pode e dividir touceiras do clorofito.
Florações: acácia-mimosa, amor-agarradinho, brinco-de-princesa, ciclâmen, cravina, crisântemo, petúnia.

Maio
- Plantar bulbos e adubar vasos e canteiros: 10 gramas de adubo químico NPK 6-6-6 para cada metro quadrado. Adubar gramados com 20 gramas por metro quadrado com NPK 20-18-6.
Florações: açafate, bico-de-papagaio, camélia, flor-de-maio, prímula, zínia.

Junho
- Diminuir as regas e proteger as plantas das geadas.
Florações: azaléia, cipó-de-são-joão, eritrina, ipê-roxo, íris, orquídea-sapatinho.


Julho
- Proteger os caules com palha. Podar cercas-vivas, árvores e arbustos.
Florações: amor-perfeito, caliandra, cássia-mimosa, cerejeira ornamental, ipê-roxo, rododendro (tipo de azaléia), verbena, quaresmeira.


Agosto
- Podar os gramados e cobri-los com uma camada de 1 centímetro da seguinte mistura: 4 partes de terra vegetal preta, 3 de areia grossa e 3 de esterco de curral bem curtido. Planejar as plantas que serão cultivadas na primavera.
Florações: abutilon, azaléia, bauínia, buquê-de-noiva, glicínia, jasmim, manacá-da-serra.

Setembro
- Transplantar vasos e adubar canteiros. Adube também os gramados (mesma dosagem indicada para maio).
Florações: calceolária, campânula, esprinha, gardênia, grevilha arbustiva, ipê-amarelo, miosótis, quaresmeira-roxa.

Outubro
- Planeje o jardim com espécies que florescem no verão. Podar um pouco as azaléias e limpar galhos secos.
Florações: agapanto, anêmona, antúrio, cineraria, gerânio, guapuvuru, margarida.

Novembro
- Transplantar vasos e canteiros.
Florações: agerato, amor-perfeito, clínia, flamboyant, jacarandá-mimoso, petúnia, sálvia.


Dezembro
- Elimine galhos secos e adube gramados com adubo químico (dosagem indicada para maio).
Florações: cravo, gladíolo, hortênsia, jasmim-manga, magnólia amarela, rosa, quaresmeira. fonte:www.bateprego.com

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bonsai - Estilo Saikei

por Muito Mais, em 30.01.09

 

Saikei é a arte de criar paisagens miniaturas vivas. Utiliza-se árvores vivas - bonsai ou mame bonsai - combinando com pedras, pedriscos, areia, vegetações de forração e musgos. Deve-se trabalhar a escala e a granulometria o melhor possível. Pode ser feito em vasos, em pedras ou em outros tipos de superfície. O solo é "esculpido" e as pedras, arranjadas como na natureza.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bonsai - Estilo Sabamiki

por Muito Mais, em 30.01.09

 

São aquelas árvores que apresentam o tronco partido e oco, em decorrência dos efeitos da natureza, como por exemplo, os raios e erosões que apodrecem uma parte da árvore. Neste estilo é conveniente trabalhar com árvores que possuem uma madeira bastante resistente.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bonsai - Estilo Sharimiki

por Muito Mais, em 30.01.09

 

Não é difícil encontrarmos na natureza uma árvore com troncos inicialmente vivos, mas com uma terminação seca e morta, muitas vezes por ter sido atingido por um raio. São essas árvores que o estilo Sharimiki representa. Este estilo é obtido através da coleta de árvores na natureza (yamadori) ou artificialmente (Jin, Shari e Madeira - Arrastada). Estilo em que a planta apresenta uma parcela significativa de seu tronco descascado, com a madeira parcialmente morta.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bonsai - Estilo Ishitzuki

por Muito Mais, em 30.01.09

 

Este talvez seja o mais excêntrico de todos os estilos, pois o bonsai Bankan tem um tronco formando círculos e arcos consecutivos.As árvores neste estilo destacam-se pela sua aparência de velhice. As curvas do tronco e as partes de madeira morta lhes dão um aspecto trágico e lhes fazem majestosas. Representam aquelas árvores crescendo em zonas altas, expostas à ação da neve, dos raios, das tormentas, etc.

É um estilo muito apreciado e bastante valorizado pela dificuldade técnica em manter viva uma árvore, com apenas uma parte do seu tronco vivo. Muitos dos bonsai naturais encontrados nas montanhas e modelados pela natureza se adaptam a este estilo. As árvores neste estilo destacam-se pela sua aparência de velhice. As curvas do tronco e as partes de madeira morta lhes dão um aspecto trágico e lhes fazem majestosas. Representam aquelas árvores crescendo em zonas altas, expostas à ação da neve, dos raios, das tormentas, etc.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bonsai - Estilo Nejikan

por Muito Mais, em 28.01.09

 

São aquelas árvores com o tronco rugoso e retorcido. É uma característica que aparece com a idade de algumas espécies, como algaroba, a granada, a ubaia azeda e a oliveira. Geralmente, a casca se retorce em espiral, dando um efeito muito atraente à árvore. O   tronco da árvore deve percorrer um movimento axial. O nejikan é um belíssimo estilo e produz um efeito ainda mais interessante em espécies de tronco particularmente bonito.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D





Mais sobre mim

foto do autor