Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Publicidade



Flores de Outono

por Muito Mais, em 06.09.12

 

violetas

Violetas - Uma flor que se desenvolve bem uma temperatura média de 18º C. Trata-se  de uma flor de interior ou de terraço, gosta a luz indirecta. Flor que se rega todos os dias, deve evitar molhar suas folhas.


 

amor-perfeito

Amores-perfeitos - É uma flor que se adapta tanto ao interior como ao exterior de vido á sua enorme resistência. Com capacidade para aguentar muito bem as temperaturas baixas  do Outono e melhor ainda as do inverno. Ao manter a humidade na  terra  vai fazer com que a flor lhe dure  todo o ano sem problemas.

 

Girassol

Girassol - Deseja encher o seu jardim de cor? o girassol vai dar um tom de dourado ao sem jardim ou terraço. Gosta de uma boa dose de água e luz. Deve evitar a exposição directa a ventos muito fortes.

Autoria e outros dados (tags, etc)


LÍRIOS

por Muito Mais, em 05.07.10

 

lírio

 

 

CARACTERÍSTICAS

A Planta - Existe uma enorme variedade dessa planta, mesmo dentro das variedades existem muitos nomes e diferenças. Um exemplo é o grande número de tipos de Lírios-asiáticos. Essa variedade apresenta plantas rústicas que exigem poucos cuidados, assim como plantas delicadas, que exigem muitos cuidados. Algumas das famílias onde encontramos essas plantas são as Liliáceas, Zingiberáceas, Amarilidáceas, etc. Elas se caracterizam por serem bulbosas perenes anuais ou herbáceas de porte médio perene. São cultivadas para bordaduras e maciços, além de vasos e forrações de cercas e grades. Tem sua origem na China, Japão, Tailândia e Turquia, no continente asiático, Venezuela, Colômbia e Brasil no continente sul-americano, e também Europa. Podem apresentar alturas variadas como 15, 30, 35, 40, 50, 60, 70, 80 e 90 centímetros, ou até 1,2 e 1,5 metro. Propaga-se quase o ano inteiro ou na primavera, dependendo da variedade. O método mais utilizado para a propagação é a divisão de Couceiras.

 

As Flores -  São agrupadas em hastes florais ou isoladas. Florescem no verão ou em outros períodos como o inverno e primavera ou primavera e verão. As cores dessas flores são laranja, rosa, amarelo, cor-de-creme, branco e violeta. Elas exalam perfume agradável, porém em curta durabilidade, durando entre 1 e 15 dias apenas. São utilizadas para arranjos florais.

 

 

lírio

 

 

Os lírios pertencem à família das Liliáceas e os principais grupos são:

Lírios Orientais - caracterizados pelos que apresentam mais perfume e flores grandes;

Lírios Asiáticos - com flores menores, quase sem perfume, mas com cores fortes e bem variadas;

Lírio longuiflorum - de flor grande, na cor branca e creme.

 

 

lírio

 

 

COMO PLANTAR

O lírio em vaso requer um local com boa iluminação, evitando o sol nas horas mais quentes do dia. Não deixe o substrato (a terra do vaso) secar completamente, molhando sempre que necessário, até que água saia pelos furos de drenagem do vaso; mas evite que a água se acumule no pratinho. Para fazer com que o lírio em vaso floresça novamente, o procedimento é complicado e não é garantido o sucesso. Quem desejar tentar, deve seguir uma série de passos:

1. Após a morte das flores, continue regando o lírio por mais 3 meses, depois pare de colocar água e espere que as hastes sequem completamente;

2. Uma vez que as hastes estejam secas, retire os bolbos do vaso, coloque-os em um saco plástico perfurado, preenchido com material inerte, húmido. Coloque este saco plástico com os bolbos na parte menos fria da sua geladeira (onde são colocadas as verduras) e deixe lá por cerca de 4 meses. Cuide para manter os bolbos húmidos. Evite choque entre os bolbos e também o choque dos bolbos com outros objectos, pois há perigo de machucar os bolbos e os ferimentos são portas para a entrada de doenças.

3. Passados os 4 meses, retire os bolbos da geladeira de plante-os. Deixe nos primeiros 10 dias em local bem fresco e arejado. Quando os brotos estiverem surgindo, leve o vaso para um local bem iluminado. Regue sempre que a terra estiver seca.

4. Se tudo der certo, entre 2 e 3 meses os bolbos florescerão.

 

Créditos:http://agnazare.ccems.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)


Dália

por Muito Mais, em 01.07.10

Dahlia_pompom
Dahlia pompom

Dahlia, nome comum dália, é um género botânico pertencente à família Asteraceae. É uma herbácea de porte médio, perene. Quando adulta, a planta chega a atingir até 1,50 m.

É originária do México, onde é muito popular. Os índios daquela região foram os primeiros a cultivar dálias, ainda no período do império Asteca. Por volta do final do século XVIII, o diretor do Jardim Botânico de Madri encantou-se com a flor, durante uma visita ao México. Foi o suficiente para que a dália atravessasse o oceano e chegasse à Europa, onde se adaptou muito bem ao clima temperado.

Foi o botânico sueco A. Dahl, responsável pela expansão das dálias pela região nórdica da Europa, que inspirou o nome da flor. Os holandeses e os franceses foram os maiores incentivadores do cultivo e da produção de inúmeras espécies híbridas de dálias. Foi a imigração holandesa que contribuiu muito para a propagação desta flor no Brasil.

Hoje, graças ao surgimento de vários híbridos, podemos encontrar diversos tipos de dálias, o que resulta numa grande variedade de formas (pompom, bola, decorativa, etc.) e cores (branca, alaranjada, vermelha, amarela, pink). São mais de três mil variedades resultantes de cruzamentos com outras espécies, como os crisântemos, por exemplo.

Dahlia Moonfire
Dahlia Moonfire

  • Reprodução: por meio de sementes, estaquia das pontas dos ramos ou divisão das raízes tuberosas; sendo que esta última permite a propagação de um exemplar com características idênticas às da planta-mãe.
  • Substrato ideal para o plantio: 2 partes de terra comum, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia
  • Clima ideal: ameno
  • Luminosidade: Em locais de clima frio, precisa de no mínimo 4 horas de sol pleno; já em clima quente, recomenda-se o cultivo à meia-sombra
  • Regas: manter o solo sempre úmido, sem encharcar
  • Floração: produz flores isoladas na primavera e no verão, em várias cores
  • Cuidados: necessita de proteção contra ventos e adubação orgânica a cada três meses

Autoria e outros dados (tags, etc)


Cactos

por Muito Mais, em 19.06.10

cactos

Os cactos compõem uma das espécies mais conhecidas de plantas suculentas e caracterizam-se por sobreviver em condições extremas de seca, ao acumular àgua em seus caules, flores e raízes.

Os cactos tiveram sua primeira aparição na América, e logo depois se expandiu por todo o mundo.
A origem do nome: o termo cactos foi usado há cerca de 300 anos antes de Cristo pelo grego Teofrastus.

Cultivo de Cactos

Os cactos precisam de sol, ventilação e e pouquíssima humidade.
A exceção fica por conta dos mini cactos (aqueles que encontramos até em supermercados, em pequenos vasinhos) que, em geral, têm menos de três anos. Como são bem jovens, os mini-cactos apresentam uma resistência menor à exposição direta do sol. Desta forma, é melhor colocá-los em áreas arejadas, mas longe da luz solar direta.

Água e regas no cultivo de cactos

É o fatos mais importante para o sucesso no cultivo de cactos. A quantidade de água necessária para a manutenção dos cactos depende de outros tópicos como: (drenagem, temperatura, terra, entre outros), tornando difícil administrar as regas, porém é possível chegar em numa média, de acordo com os períodos do ano.

No verão, as espécies com mais de três anos devem ser regadas a cada 5 ou 6 dias; já os minicactos a cada 4 dias.
No inverno, os cactos mais velhos devem receber água a cada 12 dias e os jovens a cada 8 dias.
Toda a terra ao redor deverá ser molhada, porém, não encharcada.
Permita que a água seja absorvida antes de adicionar mais água.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Bolbos

por Muito Mais, em 15.01.10

QUANDO PLANTAR?
Para o bolbo florescer na Primavera devem ser plantados de Setembro a Dezembro.
Se o objectivo é obter uma floração intercalada devem ser plantados em alturas diferentes. Um mês de intervalo entre plantações faz com que floresçam com um intervalo de 5 dias.
Os bolbos não devem ser plantados quando os solos estiverem muito húmidos ou quando a temperatura for muito baixa.

ONDE PLANTAR?
Local com sol ou com pouca sombra.
Preferir solos bem drenados e soltos com bom escoamento de água.

COMO PLANTAR?
Um bolbo planta-se a uma profundidade 2 vezes superior ao seu diâmetro. Se o bolbo tem 4 cm de diâmetro deve ser plantado a uma profundidade de pelo menos 8 cm.
A distância entre bolbos varia entre os 10 e os 20 cm dependendo do tamanho da planta. Costumam ser plantados em grupos.
Podem ser plantados debaixo de árvores, sob heras através das quais crescerão, em canteiros misturados com outras flores de Inverno, em vasos ou floreiras.

REGA E FERTILIZAÇÃO
As necessidades de água e de adubação são maiores antes da floração porque é a altura em que têm de acumular mais reservas para a altura da floração.
A rega regular ajuda ao enraizamento e ao desenvolvimento da planta.
O adubo pode aplicar-se com a água da rega ou sob a forma de adubo de libertação lenta.

OUTROS CUIDADOS
Não usar herbicidas. Para impedir o crescimento de ervas daninhas coloque casca de pinheiro sobre a terra.
Durante a floração convém ir cortando as flores à medida que estas vão murchando.

RECUPERAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS BOLBOS
Uma vez que a totalidade das flores tenha murchado corta-se a planta ao nível do solo e desenterram-se os bolbos.
Deixam-se secar os bolbos 1 ou 2 dias ao ar livre, retiram-se as folhas secas sobrantes e guardam-se em lugar seco, fresco e escuro atá à sua plantação no ano seguinte.

ALTERNATIVA
Os bolbos podem ser cultivados como flores anuais sendo recolhidos e replantados todos os anos ou, no caso dos bolbos mais resistentes, serem tratados como plantas vivazes e ser deixados plantados de ano para ano, conservando a capacidade de voltarem a crescer e florir na devida altura. Neste caso não devem ser arrancadas as folhas secas porque vão gerar reservas para o ano seguinte.

 

Créditos:  mania das plantas

Autoria e outros dados (tags, etc)


Cuidados de Inverno

por Muito Mais, em 03.12.09

 Os cuidados com as plantas durante o inverno são poucos, como as podas, atenção às regas e controle de pragas. Porém, são essenciais para que cheguem exuberantes na primavera, quando precisarão de muito vigor para brotar, florescer e frutificar. 


Aproveite para podar: 
É bom aproveitar o frio para fazer podas de limpeza e condução nas árvores. Na poda de limpeza, eliminam-se galhos secos, quebrados e mal-formados. Já a poda de condução objetiva dar um bom aspecto à árvore, permitindo maior aeração e entrada de luz entre os galhos. O mesmo ocorre com arbustos e bonzais. É que como as plantas estão em dormência, não sentirão as podas. Tenha sempre em mão uma boa tesoura de poda, afiada e sem ferrugem para não “mascar” os galhos e prejudicar as plantas. No entanto, quando são feitas as podas, a parte exposta fica suscetível à entrada de bactérias e fungos (principalmente se houver muita umidade). Indicamos que passe uma pasta selante para proteger os galhos principalmente dos seus bonzais e árvores. (produto disponível na loja). 

Abaixo veja a seção: Poda das roseiras 

Cuidados com as regas: 
Não as deixe dormir com o “pé” molhado: Por isso, prefira regar as plantas no período da manhã. A rega ao entardecer retém muita umidade e aumenta as chances das raizes congelarem e as plantas morrerem. Vale o mesmo para a aplicação de inseticidas e produtos de controle de pragas. 

Cuidado com as geadas: 
Não é propriamente a geada que prejudica as plantas, mas o sol que aparece logo de manhã e,à medida que derrete o gelo, queima as partes dos vegetais. É conveniente cobrir as plantas tropicais com sombrite para proteção. Isso também impede o pouso de borboletas, que botam os seus ovos, dos quais nascem as lagartas. Outra indicação é regar o jardim logo de manhã para fazer o degelo. Se a planta for atingida, faça uma poda radical de folhas e galhos para tentar recupera-la. 

Pragas e doenças: 
Visitas indesejadas de inverno: Apesar do inverno ser ótimo para eliminar pragas, se houver falta de sol e umidade em excesso, pode ocorrer o aparecimento de fungos, ácaros e cochonilhas. Ocorrendo, temos os inseticidas específicos. 

O inverno na região Sul costuma ser seco. Para manter a umidade das plantas sem que seja necessário regar com tanta freqüência é forrar a base das espécies com uma cobertura de casca de árvore. (produto disponível na loja) 

Poda das roseiras: 
Para garantir a floração abundante, a rosa deve ser podada diversas vezes ao ano. As podas de limpeza devem ser feitas semanalmente, cortando os galhos velhos. Já a poda drástica, deve ser feita no inverno. Protegido com luvas, inicie o processo cortando os galhos menores e também os mais velhos. Em seguida, conte três gemas (pequenos “olhos” localizados no caule) dos galhos que já foram podados e corte 1 cm acima. Nos locais que não sofreram o corte, conte cinco gemas e corte 1,5cm acima. O procedimento deve ser repetido até que reste um pequeno arbusto com cerca de 60cm. Faça os cortes sempre na diagonal, para evitar que a água da chuva acumule a apodreça a ponteira. 

Após a poda, a adubação deve ser reforçada. Comece retirando a cobertura morta e espalhe composto orgânico em volta da planta. Em seguida, aplique farinha de osso e NPK 10-10-10. Misture tudo ao solo e despeje uma camada de grama seca por cima (pode ser uma camada de casca de árvore). Finalmente, regue a roseira. Em cerca de cinqüenta dias você terá uma planta mais forte e pronta para a próxima florada. 

Sugestões de plantio - Flores de inverno: 
Amor-perfeito
Begônia
Orquídea
Boca de Leão
Caliandra
Érica
Petúnia
Azaléias
Ciclamen 

É hora de plantar bulbos!! 
Os bulbos são plantas curiosas: em forma da batata, “guardam” uma planta inteira em estado latente, que tem energia para cumprir o ciclo completo de crescimento. Quando acaba a floração, a parte aérea seca e some, mas volta a crescer e florescer no ano seguinte. 

Aproveite o inverno para plantar bulbos no jardim ou em vasos. Plantados na estação fria, terá belas flores no início da primavera. 

Na loja, temos várias opções, como Amarílis (açucenas), lírios, gladíolos, helicônias, dálias, trevos de quatro folhas, caladiuns, dentre outros. Além de lindo, é super fácil, venha aprender!! 

 

Créditos: 

 


Autoria e outros dados (tags, etc)


Plantas na decoração de interiores

por Muito Mais, em 20.08.09

Uma vez que o ar no interior das casas a aprtamentos não é muito saudável-já que somos atingidos por inúmeras substâncias químicas provocados pela existência de carpetes, pinturas, móveis, aparelhos eletrónicos-a introdução de plantas nesses espaços irá ajudar a melhorar a qualidade do ar.  Para além de que a jardinagem e o próprio contemplar a beleza das plantas são actividades relaxantes que aliviam o stress da vida urbana.

 

Dieffenbachia: É uma grande planta com o caule espesso que cresce muito. As folhas largas também têm as cores brancas e amarelo. Esta planta necessita de estar protegida, e nada melhor que a pôr ao pé duma janela virada para Oeste. Requer a rega apenas quando está seca.


Dracena: Esta planta de caule espesso produz folhas largas verdes, que crescem para cima e depois para baixo. Esta planta se parece a uma planta de milho. Qualquer iluminação serve, os únicos cuidados a ter é regar.

 

Ficus lyrata: Esta planta de caule intrincado produz folhas grandes brilhantes em forma de violino. Não tenhas medo de cortar esta árvore de interior antes que te chegue ao tecto. Qualquer iluminação serve. Rega-a apenas quando ela está quase seca.

 

Filodendros de folha em forma de coração: Esta planta produz folhas verdes escuras em forma de coração. O filodendro adapta-se a todas as iluminações excepto à exposição directa com o sol e requer que seja regada ocasionalmente, mas também apenas quando está quase seca. Podemos fazer os caules subirem com a ajuda dum suporte.

 

Línguas de tigre: Esta planta produz folhas largas e pontiagudas muito erguidas de tons d cinzento ou amarelo. Estas saem directamente do solo quando a terra está muito seca, porque é uma planta originária dos países áridos.

 

Sugestão: Tempere a água antes de regar.  Suas plantas de interior vão agradecer-lhe!
À noite ou nos dias de muito frio, quando abre a torneira e coloca as mãos debaixo do jorro de água, nos primeiros segundos esta queimará devido à baixa temperatura a que se encontra. Para que as suas espécies não sofram um colapso ao regar, deixe a água no regador durante algumas horas até esta alcançar a temperatura ambiente ou misture com água quente. Só depois deverá regar.

 

    

 

Inforamação retirada dos sites: Casa Decoração, I-Decoração

Autoria e outros dados (tags, etc)


Estrelícia - Ave-do-paraíso

por Muito Mais, em 29.05.09


Características

Também conhecida como ave-do-paraíso, por seu formato nos fazer lembrar uma vivaz e colorida ave, é uma herbácea que pode chegar a um metro e meio de altura, capaz de produzir flores, 5 a 8 ao mesmo tempo por muda, durante todo o ano, desde que cultivada sob luz solar intensa.

Essa planta, no seu conjunto, produz um efeito exótico, muito elegante e extremamente belo. 

Como plantar
Ela gosta de muita luminosidade, deve ser cultivada preferencialmente a sol pleno, em climas quentes, subtropicais e mediterrânicos, ao ar livre. Nos jardins encontra-se flores durante todo o ano.

Não deve enfrentar temperatura inferior a cinco graus centígrados, já, para florescer precisa de temperaturas superiores a 10 graus, com irrigações moderadas durante o ano todo.

Por resistirem bem aos ventos, a Estrelícia é ideal também para os jardins de zonas costeiras. Desenvolve-se bem na maioria dos solos, mas é adequado que sejam bem drenados, evitando poças e o consequente excesso de humidade.

Beleza e elegância
Pela sua beleza e elegância, porque dificilmente suas folhas e pétalas correm o risco de ser danificadas por motivos ambientais, e também porque oferecem muita facilidade no cultivo:

As estrelícias são muito procuradas para composições de arranjos de flores e decorações de ambientes externos e internos.

Estas flores, maravilhas artísticas da natureza, possuem cores incríveis e têm longa duração depois de cortada. Por isso, se tornou o símbolo da cidade de Los Angeles. Além disso, ela é extremamente atractiva para os beija-flores.

 Retirado do Site: http://agnazare.ccems.pt


Strelitzia reginae: a ave-do-paraíso
Ela é considerada a flor-símbolo de Los Angeles: é a strelitzia ‚ uma flor colorida e de longa duração, cujo formato lembra uma vivaz e colorida ave.

Popularmente, ela é mais conhecida como "ave-do-paraíso", apesar de receber também outros nomes, dependendo da região, mas seu nome botânico é Strelitzia reginae. Segundo se sabe, o nome 'strelitzia' foi escolhido em homenagem à rainha Charlotte Sophia, duquesa de Mecklenburg Strelitz e esposa do rei George III, da Inglaterra.

Nos jardins, a strelitzia faz muito sucesso, formando vistosos maciços sobre os gramados, mas é na composição de arranjos e decorações florais que ela mostra a sua maior glória: suas flores, belas e exóticas, dão um show de durabilidade, colorido e versatilidade.

Parente próxima da helicônia e da bananeira, a strelitzia apresenta folhagem exuberante, de coloração verde-escuro, que contrasta com as nervuras centrais das folhas, de tom avermelhado. Já as flores, um verdadeiro trabalho artístico da natureza, são protegidas por uma bráctea, em forma de barca, com colorações que variam do vermelho ao azul-violeta. As seis pétalas das flores formam dois grupos de três: as externas são ligeiramente lanceoladas e de cor alaranjada e, as três mais internas possuem o formato de uma flecha e apresentam tons de azul-metálico.

O resultado é um efeito exótico, elegante e extremamente belo, que tem o seu objetivo: a natureza cria estas composições de formas e cores, num esforço para atrair agentes polinizadores e, neste caso, são os beija-flores os visitantes mais freqüentes, em busca do néctar da strelitzia.

Outras espécies
O gênero Strelitzia pertence à família das Musáceas e compreende inúmeras espécies, todas originárias da África do Sul e introduzidas na Europa em 1770, de onde se disseminaram por todo o mundo. A espécie mais cultivada é a Strelitzia reginae, popularmente conhecida como estrelícia, rainha-do-paraíso, bico-de-tucano, flor-do-paraíso, flor-da-rainha, ave-do-paraíso ou bananeirinha-do-jardim. Trata-se de uma planta muito decorativa e, em razão de sua grande durabilidade, é bastante difundida tanto como flor de corte como para o plantio em jardins. Existem também outras espécies, como a Strelitzia alba, de flores brancas e a Strelitzia caudata, de coloração azulada.

De um modo geral, as strelitzias são de fácil cultivo e requerem poucos cuidados, sendo de grande utilidade para a composição de arranjos florais e decoração de ambientes, pois dificilmente são atacadas por problemas que possam danificar suas pétalas e folhas.

Como cultivar
A Strelitzia reginae é uma planta herbácea perene que produz flores quase o ano inteiro, desde que cultivada sob sol luz solar plena. Sua propagação se dá por meio de sementes ou divisão de touceiras. Cultive-a em solo argiloso (2 partes de terra comum de jardim, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia. A planta gosta de água mas não de solo encharcado. Em geral, pode-se regar duas vezes por semana. Em época seca, deve-se observar a superfície e regar sempre que apresentar-se seca.

 

Retiradao do Site: http://br.answers.yahoo.com

Autoria e outros dados (tags, etc)


Regar com eficiêcia - Parte 1

por Muito Mais, em 07.05.09

1 - Tenha sempre em atenção o harário em que vai efectuar  a rega . Aconcelha-se que o faça sempre entre as dez da naoie e oito da manhã. Sendo este o periodo no qual ao dia é mais fresco, o que vai fazer com que a evaporação da rega seja menor e que op solo aborva instantaneamente a água.


2- Regue minuciosamente cada espaço, mas com menor frequencia possivel. Analise bem cada planta do seu jardim, conheça as suas exigencias nutritivas, e a sua tolerancia ao sol e  depois regues-as consuante as suas necessidades. Verifique sempre se algumas especies num canteiro variado apresentam desidratação e regue mais essas zonas.Se utilizar rega de mangueira, ou em espaços de menor dimensão um regador, verá que poupa água e pode oferecer a cada planta o tratamento ideal, pois o excesso ou escassez de água podem comprometer o seu jardim. Na relva deve ter mais cuiodado com as regas.


3- Em média, zonas de pequenos arbustos requerem cerca de 15 lt de água por semana, espaços com  arbustos d maior porte precisam de cerca de 30 lt de água por semana, as ´rvores cinco litros por  diametro, canteiros de flores necessitam de 15lt por semana. àreas relvadas exigem regas mais frequentes. Caso opte por um sistema de rega automático, tenha sempre em conta as diferentes zonas do seu jardim, para não acontecer encharcamentos.


Fonte: Campo & Jardim nº 9

Autoria e outros dados (tags, etc)


Primavera, transforme o seu jardim num sonho.

por Muito Mais, em 24.04.09

Agora que o sol surge mais no nosso dia a dia, que apetece passar mais tempo na rua, uma das actividades mais primorosas e relaxantes é a jardinagem.

É época de plantar, ver crescer e florir, embelezar os espaços onde podemos passar bons momentos de prazer.

Para quem tem um jardim grande pode dividi-lo em vários espaços. Por exemplo, zona de brincadeira  com baloiço, escorrega, espaço para brincar. Uma zona de convívio com mesa e cadeiras, poderá por uma pérgula ou uma estrutura com trepadeiras. uma zona ajardinada, com um caminho de acesso á casa. Poderá utilizar vários tipos de gravilhas para delinear os vários espaços, pode escolher vários arbustos e de diferentes tamanhos criando assim pequenos recantos e refúgios no seu jardim.

Uma parte bastante importam-te é a colocação de casca de pinheiro para evitar o crescimento rápido de ervas daninhas, que são tão indesejadas, nos nossos queridos jardins. A caca de pinheiro também evita que a água evapore, criando mais humidade para as suas plantas.

Agora basta sonhar, desenhar um esboço, ver qual os arbustos mais indicados e partir á aventura. Arrisque, divirta-se e tenha o seu jardim de sonho.

 

Aqui ficam algumas idéias de jardins feitos no programa Querido Mudei a Casa.

 

 

 

Para mais idéias e informacões veja o site

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D





Mais sobre mim

foto do autor