Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Publicidade



Como acelerar a floração dos crisântemos?

por Muito Mais, em 17.07.10

crisântemos
O crisântemo (Chrysanthemum morifolium) floresce profusamente em outonos de dias curtos. Em outonos nublados e frios surge com muitas e boas flores e nos quentes e com Sol, com flores raquiticas.

 

Para obter melhores flores, tape os seus crisântemos. Se pretende plantas com folhagem densa, pode em Maio, quase rente ao solo para que produzam mais ramos.

 

Céditos: http://mulher.sapo.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)


Frésias

por Muito Mais, em 11.07.10

 

fresias

 

A freesia, frésia ou junquilho é um gênero da família das Iridáceas, constituído de várias espécies de plantas bulbosas floríferas, originárias da África do Sul, cujos cachos de flores exalam perfume agradável, e que são largamente cultivadas nos jardins do mundo inteiro. Nos jardins, seu plantio é recomendado em bordadura de canteiros, mas o resultado só será compensador se houver boa incidência de luz no local.

As espécies apresentam muitas cores, geralmente fortes, que vão desde um azul puro, passam pelo púrpura e chegam ao branco. Reproduz-se por meio de bulbos perenes. Floresce nas regiões de clima frio a temperado, normalmente no final do inverno e prossegue na primavera.


Cultivo

Recomenda-se em locais ensolarados e com clima ameno, pois os cormos precisam de temperatura fria para iniciarem o processo de germinação. No plantio, o ideal é manter uma distância mínima de 5 a 10 cm entre um cormo e outro, que devem ser cobertos com terra solta.


Solo e umidade

O ideal é o solo solto, leve, rico em adubação orgânica e não saturado de água. Regar levemente uma vez por semana durante o primeiro mês.


Tempo de florescimento

Com boa incidência de luz e regas corretas, as folhas e pendões florais brotarão da metade para o final do inverno, independente da época do ano em que o bulbo foi plantado. O florescimento se prolonga horizontalmente, em todo o pendão floral.


Armazenamento dos cormos

Os cormos, quando dormentes, devem ser armazenados em local fresco e ventilado, para que sejam plantados de março a maio. Em cultivos do ano anterior, não é necessário extrair os cormos do solo, pois a dormência é interrompida naturalmente, voltando a florir na mesma época do ano, ou seja, no final do inverno.

 

Créditos: http://florista.com.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)


Jardim Aromático

por Muito Mais, em 22.08.09

A localização no jardim

Regra geral, as ervas aromáticos necessitam de um solo solto e poroso, ou seja, prosperam mais em terra seca e aberta do que em terra pesada e húmida. Para assegurar estas condições de crescimento, escolha uma zona do jardim que receba muito sol e, se for necessário potenciar as características do solo, basta juntar-lhe areia para tornar a terra mais solta. Os canteiros reservados a um jardim aromático podem ser circulares, quadrados, em caracol ou espiral, com ou sem intersecções. Se preferir uma estrutura mais organizada, pode dividir o jardim aromático com pedras/tijolos (a vantagem destas é que acumulam o calor do sol, potenciando o desenvolvimento das ervas) ou estacas, mas também pode fazer uma plantação livre e completamente natural. Por fim, quanto mais perto de casa ou da porta da cozinha melhor – para aproveitar todos os ingredientes frescos que tem à disposição.

 Vasos e floreiras

A facilidade com que crescem a maioria das ervas aromáticas permite que estas possam ser igualmente plantadas em vasos e floreiras que descansam no peitoril da janela da cozinha ou penduradas numa varanda. O facto de não necessitarem de muito espaço para florescerem significa que mesmo num pequeno apartamento é perfeitamente plausível desfrutar de um jardim aromático. Se possível, opte por vasos em terracota, no entanto, as floreiras ou vasos em plástico são igualmente adequados. Certifique-se que o tamanho dos vasos são apropriados ao tipo e quantidade de erva aromática a semear e junte sempre à terra normal, areia ou argila em partes iguais, para torná-la mais solta e permeável. Coloque os seus vasos no local mais solarengo da varanda, terraço ou janela e observe o seu crescimento rápido e bonito.

Variar para saborear

Na hora de plantar um jardim aromático, importa escolher ervas que aprecie particularmente e que habitualmente utiliza na cozinha. Quanto mais espaço de jardim tiver, mais espécies pode plantar; no entanto, se vai optar por um “jardim envasado”, a variedade pode mesmo assim ser muita: 6 vasos permitem 6 tipos de ervas aromáticas distintas, por exemplo. Existem ainda várias espécies que, quando plantadas em conjunto, florescem lindamente, por isso, veja que tipo de misturas pode fazer para duplicar o jardim aromático, tornando-o, em simultâneo, visualmente atractivo.

Semear e cuidar

Seja em jardim ou vaso, não há nada mais simples do que semear ervas aromáticas: basta espalhar as sementes no solo arenoso e verificar, poucas semanas depois, o florescimento das plantas. Se pegarem à primeira – que é, por norma, o caso – as colheitas sucedem-se e terá sempre um jardim aromático em flor, com ervas frescas prontas a ser utilizadas. Como em tudo na jardinagem, existem algumas espécies que requerem cuidados específicos ou que se cultivam melhor quando plantadas em conjunto com outras ervas, por isso, informe-se aquando da compra. Casos especiais à parte, depois da sua plantação, um jardim aromático necessita apenas de ser regado periodicamente, especialmente quando o tempo se apresentar mais quente e seco. Para assegurar um jardim aromático que floresce todo o ano, saiba que existem muitas ervas que suportam os meses de Inverno, enquanto outras necessitam apenas de serem envasadas e colocadas no interior ou em janelas solarengas para continuarem a dar os seus frutos, mesmo nas alturas mais frias do ano.

 Colher e saborear

A maioria das ervas aromáticas ostenta o seu melhor sabor antes de florescerem, por isso, esteja atento – uma vez em flor, as folhagens mais antigas comecem a desvanecer e as novas surgem mais pequenas e azedas. Quanto mais as utilizar e colher, maior é o incentivo para o jardim aromático continuar a crescer e a desenvolver. Se alguma planta florescer rapidamente, pode cortar cerca de um terço da mesma para voltar a estimular a produção, fazendo questão de recorrer às folhas mais vezes. São os óleos presentes nas ervas os principais responsáveis pelo aroma e sabor deste tipo de planta; e a concentração desses óleos é mais elevada de manhã, por isso, é esta a melhor altura do dia para as colher. Com recurso a uma faca, tesoura ou mesmo com as mãos, colha os seus frutos aromáticos a meio da manhã – depois de o orvalho secar nas folhas e antes de ficarem murchas devido ao sol – e lave-os gentilmente em água fria antes de utilizar.

 

Retirado do Site : O Meu Jardim

Autoria e outros dados (tags, etc)


Plantas na decoração de interiores

por Muito Mais, em 20.08.09

Uma vez que o ar no interior das casas a aprtamentos não é muito saudável-já que somos atingidos por inúmeras substâncias químicas provocados pela existência de carpetes, pinturas, móveis, aparelhos eletrónicos-a introdução de plantas nesses espaços irá ajudar a melhorar a qualidade do ar.  Para além de que a jardinagem e o próprio contemplar a beleza das plantas são actividades relaxantes que aliviam o stress da vida urbana.

 

Dieffenbachia: É uma grande planta com o caule espesso que cresce muito. As folhas largas também têm as cores brancas e amarelo. Esta planta necessita de estar protegida, e nada melhor que a pôr ao pé duma janela virada para Oeste. Requer a rega apenas quando está seca.


Dracena: Esta planta de caule espesso produz folhas largas verdes, que crescem para cima e depois para baixo. Esta planta se parece a uma planta de milho. Qualquer iluminação serve, os únicos cuidados a ter é regar.

 

Ficus lyrata: Esta planta de caule intrincado produz folhas grandes brilhantes em forma de violino. Não tenhas medo de cortar esta árvore de interior antes que te chegue ao tecto. Qualquer iluminação serve. Rega-a apenas quando ela está quase seca.

 

Filodendros de folha em forma de coração: Esta planta produz folhas verdes escuras em forma de coração. O filodendro adapta-se a todas as iluminações excepto à exposição directa com o sol e requer que seja regada ocasionalmente, mas também apenas quando está quase seca. Podemos fazer os caules subirem com a ajuda dum suporte.

 

Línguas de tigre: Esta planta produz folhas largas e pontiagudas muito erguidas de tons d cinzento ou amarelo. Estas saem directamente do solo quando a terra está muito seca, porque é uma planta originária dos países áridos.

 

Sugestão: Tempere a água antes de regar.  Suas plantas de interior vão agradecer-lhe!
À noite ou nos dias de muito frio, quando abre a torneira e coloca as mãos debaixo do jorro de água, nos primeiros segundos esta queimará devido à baixa temperatura a que se encontra. Para que as suas espécies não sofram um colapso ao regar, deixe a água no regador durante algumas horas até esta alcançar a temperatura ambiente ou misture com água quente. Só depois deverá regar.

 

    

 

Inforamação retirada dos sites: Casa Decoração, I-Decoração

Autoria e outros dados (tags, etc)


Estrelícia - Ave-do-paraíso

por Muito Mais, em 29.05.09


Características

Também conhecida como ave-do-paraíso, por seu formato nos fazer lembrar uma vivaz e colorida ave, é uma herbácea que pode chegar a um metro e meio de altura, capaz de produzir flores, 5 a 8 ao mesmo tempo por muda, durante todo o ano, desde que cultivada sob luz solar intensa.

Essa planta, no seu conjunto, produz um efeito exótico, muito elegante e extremamente belo. 

Como plantar
Ela gosta de muita luminosidade, deve ser cultivada preferencialmente a sol pleno, em climas quentes, subtropicais e mediterrânicos, ao ar livre. Nos jardins encontra-se flores durante todo o ano.

Não deve enfrentar temperatura inferior a cinco graus centígrados, já, para florescer precisa de temperaturas superiores a 10 graus, com irrigações moderadas durante o ano todo.

Por resistirem bem aos ventos, a Estrelícia é ideal também para os jardins de zonas costeiras. Desenvolve-se bem na maioria dos solos, mas é adequado que sejam bem drenados, evitando poças e o consequente excesso de humidade.

Beleza e elegância
Pela sua beleza e elegância, porque dificilmente suas folhas e pétalas correm o risco de ser danificadas por motivos ambientais, e também porque oferecem muita facilidade no cultivo:

As estrelícias são muito procuradas para composições de arranjos de flores e decorações de ambientes externos e internos.

Estas flores, maravilhas artísticas da natureza, possuem cores incríveis e têm longa duração depois de cortada. Por isso, se tornou o símbolo da cidade de Los Angeles. Além disso, ela é extremamente atractiva para os beija-flores.

 Retirado do Site: http://agnazare.ccems.pt


Strelitzia reginae: a ave-do-paraíso
Ela é considerada a flor-símbolo de Los Angeles: é a strelitzia ‚ uma flor colorida e de longa duração, cujo formato lembra uma vivaz e colorida ave.

Popularmente, ela é mais conhecida como "ave-do-paraíso", apesar de receber também outros nomes, dependendo da região, mas seu nome botânico é Strelitzia reginae. Segundo se sabe, o nome 'strelitzia' foi escolhido em homenagem à rainha Charlotte Sophia, duquesa de Mecklenburg Strelitz e esposa do rei George III, da Inglaterra.

Nos jardins, a strelitzia faz muito sucesso, formando vistosos maciços sobre os gramados, mas é na composição de arranjos e decorações florais que ela mostra a sua maior glória: suas flores, belas e exóticas, dão um show de durabilidade, colorido e versatilidade.

Parente próxima da helicônia e da bananeira, a strelitzia apresenta folhagem exuberante, de coloração verde-escuro, que contrasta com as nervuras centrais das folhas, de tom avermelhado. Já as flores, um verdadeiro trabalho artístico da natureza, são protegidas por uma bráctea, em forma de barca, com colorações que variam do vermelho ao azul-violeta. As seis pétalas das flores formam dois grupos de três: as externas são ligeiramente lanceoladas e de cor alaranjada e, as três mais internas possuem o formato de uma flecha e apresentam tons de azul-metálico.

O resultado é um efeito exótico, elegante e extremamente belo, que tem o seu objetivo: a natureza cria estas composições de formas e cores, num esforço para atrair agentes polinizadores e, neste caso, são os beija-flores os visitantes mais freqüentes, em busca do néctar da strelitzia.

Outras espécies
O gênero Strelitzia pertence à família das Musáceas e compreende inúmeras espécies, todas originárias da África do Sul e introduzidas na Europa em 1770, de onde se disseminaram por todo o mundo. A espécie mais cultivada é a Strelitzia reginae, popularmente conhecida como estrelícia, rainha-do-paraíso, bico-de-tucano, flor-do-paraíso, flor-da-rainha, ave-do-paraíso ou bananeirinha-do-jardim. Trata-se de uma planta muito decorativa e, em razão de sua grande durabilidade, é bastante difundida tanto como flor de corte como para o plantio em jardins. Existem também outras espécies, como a Strelitzia alba, de flores brancas e a Strelitzia caudata, de coloração azulada.

De um modo geral, as strelitzias são de fácil cultivo e requerem poucos cuidados, sendo de grande utilidade para a composição de arranjos florais e decoração de ambientes, pois dificilmente são atacadas por problemas que possam danificar suas pétalas e folhas.

Como cultivar
A Strelitzia reginae é uma planta herbácea perene que produz flores quase o ano inteiro, desde que cultivada sob sol luz solar plena. Sua propagação se dá por meio de sementes ou divisão de touceiras. Cultive-a em solo argiloso (2 partes de terra comum de jardim, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia. A planta gosta de água mas não de solo encharcado. Em geral, pode-se regar duas vezes por semana. Em época seca, deve-se observar a superfície e regar sempre que apresentar-se seca.

 

Retiradao do Site: http://br.answers.yahoo.com

Autoria e outros dados (tags, etc)


Regar com eficiêcia - Parte 2

por Muito Mais, em 12.05.09

4 - Qualquer jardim recentemente criado, leva tempo a estabelecer-se. Logo, durante o início o número de regas terá  de ser superior. Em alturas de calor as plantas também precisam de mais água do que o normal. A adaptação das plantas ao solo poderá demorar vários meses, pelo que convém o jardineiro estar atento ás suas necessidades que vão depender da temperatura e épocas do ano a que estão sujeitas.


5 - Caso regue as plantas manualmente, utilize um disjuntor no final da  mangueira, para que o fluxo de água seja menor, o que reduzirá o consumo hídrico e proporcionará um contacto mais suave entre a a água e a base das plantas. Um jardim de dimensões normais, regado à mangueira  gasta cerca de 15 litros de água por minuto. Aconselhamos o reaproveitamento das águas da chuva através de reservatórios espalhados pelo terreno, que durante o Inverno vão armazenando as águas das chuvas proporcionando a água das regas para o restante ano. Outra solução que também aconselhamos á a adopção de um sistema de rega gota-a-gota, que mantém o seu solo sempre nutrido de forma económica.


6 - Deve conhecer bem as características do seu solo. Isso evitará encharcamentos justificados pelas irrigações excessivas em solos de reduzida capacidade de absorção.

 

7 - Se tiver um sistema de rega automático assegure-se que o mesmo tem um sensor  que cancela regas em períodos de chuva. Anualmente faça uma avaliação ao mesmo para se assegurar que não está a provocar desperdícios hídricos, regando, por exemplo, zonas de pavimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Regar com eficiêcia - Parte 1

por Muito Mais, em 07.05.09

1 - Tenha sempre em atenção o harário em que vai efectuar  a rega . Aconcelha-se que o faça sempre entre as dez da naoie e oito da manhã. Sendo este o periodo no qual ao dia é mais fresco, o que vai fazer com que a evaporação da rega seja menor e que op solo aborva instantaneamente a água.


2- Regue minuciosamente cada espaço, mas com menor frequencia possivel. Analise bem cada planta do seu jardim, conheça as suas exigencias nutritivas, e a sua tolerancia ao sol e  depois regues-as consuante as suas necessidades. Verifique sempre se algumas especies num canteiro variado apresentam desidratação e regue mais essas zonas.Se utilizar rega de mangueira, ou em espaços de menor dimensão um regador, verá que poupa água e pode oferecer a cada planta o tratamento ideal, pois o excesso ou escassez de água podem comprometer o seu jardim. Na relva deve ter mais cuiodado com as regas.


3- Em média, zonas de pequenos arbustos requerem cerca de 15 lt de água por semana, espaços com  arbustos d maior porte precisam de cerca de 30 lt de água por semana, as ´rvores cinco litros por  diametro, canteiros de flores necessitam de 15lt por semana. àreas relvadas exigem regas mais frequentes. Caso opte por um sistema de rega automático, tenha sempre em conta as diferentes zonas do seu jardim, para não acontecer encharcamentos.


Fonte: Campo & Jardim nº 9

Autoria e outros dados (tags, etc)


Jardins - Jardins de inverno

por Muito Mais, em 11.02.09

Os jardins de Inverno actuais, quando existem, são fundamentalmente prolongamentos da parte principal da casa, cheios de verdura, soalheiros e mobilados de forma despretensiosa. O jardim de Inverno ideal deve comunicar com a sala de estar e, tendo embora muitas plantas, ser suficientemente amplo para acomodar cadeiras confortáveis. Para facilitar as tarefas de jardinagem, deve existir uma torneira num dos cantos da divisão. O pavimento ( uma vez que se trata de um jardim de Inverno ideal ) é de ladrilhos, dos quais é fácil remover a sujidade e a água. O telhado, de vidro transparente, é inclinado para evitar a acumulação da água da chuva, das folhas mortas ou mesmo da neve. Há ainda janelas a toda a volta providas de cortinas ou persianas fáceis de correr. Pela sua natureza, um jardim de Inverno recebe mais claridade do que o normal das divisões, pelo que a gama de plantas que aí se podem cultivar torna-se muito mais vasta. Aqui dar-se-ão bem plantas como buganvílias, grevíleas, hóias, jacarandás e numerosas orquídeas. Se a estrutura que suporta o telhado for constituída por traves resistentes, poderá suspender cestos ou vasos com fetos, begónias e fúcsias em flor. Videiras e outras plantas trepadeiras poderão ainda ser orientadas para crescerem pelas paredes e ao longo do tecto. Ao nível do solo ficam bem canteiros do tipo habitualmente utilizado em estufas.

 

 

Retirado do Site:http://plantasdeinterior.com.sapo.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fevereiro é um excelente mês para começar a tratar das flores que vão enfeitar as suas paredes este Verão. Mas há mais a fazer

Plante trepadeiras

http://www.fazendacitra.com.br/dierberger/images/stories/plantas/trepadeiras/Mucuna-bennettii.jpg


Semeie no solo, protegidas com coberturas, as espécies anuais de grande desenvolvimento e trepadeiras.

Regue as vivazes
Nas zonas quente, regue as vivazes que plantou antes do Inverno e não tenham tido tempo de completar o enraizamento. Regue nas horas mais quentes e com água tépida.

Adube depois da poda
Depois de cortar o material seco e murcho nas vivazes e outras plantas do rock garden e dos maciços, e as dividir se estiverem apertadas ou velhas, junte terra vegetal ou turfa para renovar os nutrientes.

Pode as suas rosas
Depois dos frios intensos, retoque as rosas para retirar o material estragado ou demasiado crescido. Reduza em um terço o que cortar.

Trate o solo
Desinfecte o solo com insecticida e fungicida de largo espectro com o objectivo de o preparar para receber novas plantas e sementes.

Aplique estrume nos solos baldios
Restitua o nível de matéria orgânica, enterrando bastante estrume. Depois, pode plantar. Esta é uma boa altura para executar esta tarefa.

 


A glicínia é uma trepadeira indicada para o plantio em pérgulas

 

Retirado do site: Mulher

Autoria e outros dados (tags, etc)


Plantas de interiores - Condições adequadas

por Muito Mais, em 09.02.09

Luz

Ao considerar a quantidade de luz necessária às várias plantas, distinguimos: luz plena, luz sombreada, sombra e muita sombra.

Luz plena significa que uma planta prefere a luz direta de uma janela.

Luz sombreada pode ser criada na mesma janela - fechando-se, por exemplo, parcialmente a persiana - mas uma janela que recebe luz plena somente até as dez da manhã, pode ter a mesma iluminação.

Sombra se aplica a uma posição de cerca de 1 a 2 metros de distância de uma janela.

Muita sombra refere-se a posições que recebem bem pouca luz solar, por exemplo, a uma distância de vários metros da janela. Apenas as plantas mais resistentes e adaptadas sobrevivem com tão pouca luz.

Obs:. A melhor proteção contra a luz solar excessiva pode ser feita por meio de persianas metálicas, mas uma cortina de trama fina pode servir. O amarelecimento da folhagem pode ser um sinal de insolação excessiva.

Temperatura

Quase todas as plantas se desenvolverão bem numa sala a uma temperatura de 20oC. Os cômodos com janelas envidraçadas são um pouco mais frescos, e muitas plantas se beneficiam com isso.

As plantas grandes em geral preferem condições mais frias e crescem melhor num hall, num corredor, num quarto pouco aquecido ou em algum lugar semelhante.

No inverno muitas plantas passam por um período de repouso no qual os requisitos de temperatura e luz - e conseqüentemente umidade - são menores. Quando uma planta percisa de um período de repouso, é aconselhável a temperatura mínima de inverno.

Água

O teor de umidade da terra do vaso é talvez mais importante que qualquer outra coisa, mesmo a temperatura adequada. As plantas colocadas em vasos pequenos, especialmente, podem ficar muito secas ou muito húmidas, e nos dias de sol talvez seja necessário aguar três ou quatro vezes ao dia, principalmente se os vasos forem de cerâmica. Vasos de plástico não permitem a evaporação, conservando assim, de certo modo, o nível de umidade do solo.

Freqüentemente regam-se demais as plantas. Isso não é grave quando o vaso tem boa drenagem, tem orifícios e é colocado num pires, mas, nos recipientes ornamentais, especialmente nos cilindros de plástico modernos, pode ser desastroso.

Planta seca: é suficiente pingar algumas gotas de água bem na parte central do vaso periodicamente.

Planta moderadamente húmida: significa que o solo deve estar quase inteiramente seco antes da nova rega.

Planta constantemente úmida: significa uma terra que sempre se apresenta úmida quando tocada com o dedo.

Planta molhada: significa que a água aparece quando se pressiona a terra com o dedo.

Se uma planta mantém-se mais seca do que o necessário, as folhas se enrolam e eventualmente caem, ao passo que, se a terra está demasiadamente encharcada , o crescimento é prejudicado, as folhas permanecem pequenas e o solo se cobre por um fino musgo verde.

 

Retrado do Site: http://www.dicasdejardinagem.com.br/

Autoria e outros dados (tags, etc)




Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D





Mais sobre mim

foto do autor