Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Publicidade



Dália

por Muito Mais, em 01.07.10

Dahlia_pompom
Dahlia pompom

Dahlia, nome comum dália, é um género botânico pertencente à família Asteraceae. É uma herbácea de porte médio, perene. Quando adulta, a planta chega a atingir até 1,50 m.

É originária do México, onde é muito popular. Os índios daquela região foram os primeiros a cultivar dálias, ainda no período do império Asteca. Por volta do final do século XVIII, o diretor do Jardim Botânico de Madri encantou-se com a flor, durante uma visita ao México. Foi o suficiente para que a dália atravessasse o oceano e chegasse à Europa, onde se adaptou muito bem ao clima temperado.

Foi o botânico sueco A. Dahl, responsável pela expansão das dálias pela região nórdica da Europa, que inspirou o nome da flor. Os holandeses e os franceses foram os maiores incentivadores do cultivo e da produção de inúmeras espécies híbridas de dálias. Foi a imigração holandesa que contribuiu muito para a propagação desta flor no Brasil.

Hoje, graças ao surgimento de vários híbridos, podemos encontrar diversos tipos de dálias, o que resulta numa grande variedade de formas (pompom, bola, decorativa, etc.) e cores (branca, alaranjada, vermelha, amarela, pink). São mais de três mil variedades resultantes de cruzamentos com outras espécies, como os crisântemos, por exemplo.

Dahlia Moonfire
Dahlia Moonfire

  • Reprodução: por meio de sementes, estaquia das pontas dos ramos ou divisão das raízes tuberosas; sendo que esta última permite a propagação de um exemplar com características idênticas às da planta-mãe.
  • Substrato ideal para o plantio: 2 partes de terra comum, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia
  • Clima ideal: ameno
  • Luminosidade: Em locais de clima frio, precisa de no mínimo 4 horas de sol pleno; já em clima quente, recomenda-se o cultivo à meia-sombra
  • Regas: manter o solo sempre úmido, sem encharcar
  • Floração: produz flores isoladas na primavera e no verão, em várias cores
  • Cuidados: necessita de proteção contra ventos e adubação orgânica a cada três meses

Autoria e outros dados (tags, etc)


CACTOS

por Muito Mais, em 28.03.09

 

      Cactos Mistura - JARDICENTRO LOJA ONLINE

Os cactos necessitam de sol e odeiam umidade. Conhecendo isso, já se sabe o mais importante sobre essas plantas de formas e tamanhos tão diferentes (variam de 2cm a 15cm de altura), pertencentes à família das Cactaceae, originária da América do Norte. O nome deriva do grego Káktos, que significa planta espinhuda - afinal, essa espécie é cheia de espinhos e pêlos em seus caules carnudos e cheios de água.
Apesar do habitat original desértico, os cactos vão bem em climas amenos, e deve ser plantado em solo árido, uma mistura de areia e terra, e em local com luz direta e pouca água.
Como algumas espécies menores podem não se adaptar ao solo para onde forem transplantadas, é melhor plantá-las no jardim mantendo-as dentro dos vasinhos em que estiverem, especialmente se forem cactos enxertados.
A montagem do jardim de cactos deve seguir o roteiro abaixo:
• preparação do local - escolher um canto com pequeno declive. Se não houver, pode-se amontoar algumas pedras ou formar montinhos de terra, para drenar bem a água. O solo ideal é obtido com a mistura de partes iguais de areia, terra local e adubo orgânico (humus de minhoca, torta de mamona ou esterco animal). Revolver bem o solo tratado, cobri-lo com plástico e deixá-lo curtir por trinta dias. Observar que a camada tratada tenha pelo menos 50cm de profundidade.

• plantio das mudas - a melhor época é entre o fim do outono e o início da primavera, quando as chuvas diminuem. Começar pelo fundo do jardim, plantando as mudas maiores, depois passar para as de porte médio e, finalmente, as menores. As covas defem ter o tamanho que abrigue as raízes.
• cuidados finais - colocar seixos rolados, pedriscos ou uma camada de areia ao redor das plantas - além de fazerem o acabamento, esses materiais protegem os caules. As regas, no primeiro mês, devem ser feitas duas vezes por semana; depois disso, só quando a ausência de chuva for longa.

Fonte: Revista Arquitetura & Construção - jun/97.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Criação de Musgo para decoração de bonsai

por Muito Mais, em 24.02.09

Musgo receita 3

Material

  • Entre 1/2 Kilo a 1 Kilo de musgo
  • Uma bandeja , pode ser plástica ou qualquer material impermeável
  • Um local sombreado
  • 1 lata de Cerveja ... ( Calma não é para beber enquando trabalha )
  • Tijolos maciços suficientes para a quantidade que você pretenda produzir.
  • Um tecido fino , do tipo de fralda de criança, ou tecido de mosquiteiro ( Prefiro a Fralda que é degradável )
  • Uma colher de Açúcar
  • Um liquidificador

Preparação

  1. - Coloque os tijolos deitados na bandeja e coloque água na bandeja de maneira que os tijolos sempre tenham água disponível para absorver.
  2. Cubra os tijolos com o tecido fino, podendo se quiser colocar uma pequena camada de areia fina entre os tijolos e o tecido, de maneira que garanta uma superfície boa para a colocação do tecido.
  3. Bata no liquidificador, adicionando agua ,o musgo, a cerveja e o açúcar, em quantidades proporcionais ao que se quer produzir, até obter uma mistura mais ou menos cremosa, por exemplo para 1 kg de musgo usa-se 1 lata de cerveja e 1 colher de sopa de açúcar.
  4. Espalhe tudo isto na superfície do tecido, de modo a obter uma camada fina ( + - 2 mm ), mantenha a bandeija sempre com água e na sombra para que as partes trituradas pelo liquidificador sejam alimentadas pelo nutriente ( Cerveja + Açúcar ) e em pouco tempo você terá multiplicado a quantidade que você tinha de musgo.
  5. Caso necessite umedecer mais, faça-o com um pulverizador para não espalhar as " mudinhas " de musgo que estão se formando.

 Retirado do site: http://www.bonsai.aveiro.co.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)


Como desidratar flores

por Muito Mais, em 11.02.09

  • Existem várias técnicas. Deve-se escolher a mais adequada para a flor e o resultado desejado.
  • Dicas gerais:
  • Os tempos de secagem variam de acordo com as plantas usadas.
  • É melhor cortar as flores que serão desidratadas, antes de desabrocharem completamente, pois elas continuam a abrir enquanto secam.

  • Colha as flores num dia seco, depois que o orvalho da manhã tiver secado. Escolha flores sadias e descarte as folhas ou pétalas secas. 

  • Se não for secar ao natural, corte os cabos das flores. Se pretende usar em arranjos, deixe aproximadamente 3 cm e depois de secas; use arame e fita de florista para criar os cabos.

  • Para desidratar um buquet inteiro é necessário que todas as plantas usadas possam ser desidratadas com o mesmo método. Em geral usa-se a silicagel. Se não for possível, fotografe o buquet, desmonte-o, seque as flores individualmente e torne a fazer a montagem guiando-se pela foto.

  • Se  pretende desidratar o seu buquet de noiva pense na possibilidade de encomendar dois iguais, um para ser desidratado e outro para atirar às  convidadas!! Também é interessante fazer um teste, algumas semanas antes, com um buquet semelhante para avaliar os resultados.

  • A silicagel pode ser reaproveitada. Basta retirar a humidade usando o forno convencional.

  • Se usar a técnica da areia ela deve ser bem fina, limpa, seca e sem sal. Passe por uma peneira, lave bem, seque ao ar livre e retire o excesso de humidade aquecendo no forno convencional.

  • Se desejar, após desidratar, passe uma camada fina de verniz spray para evitar que as flores absorvam a humidade do ar.

  •  

  • MÉTODOS
  •  
  • Ao ar livre 
  •  
  •  o mais simples mas as cores são alteradas. Demora de uma a duas semanas, de acordo com a humidade das flores e do local. Remova as folhas da extremidade do cabo, faça pequenos maços e pendure de cabeça para baixo num local seco (sótão ou armário). Evite colocar na despensa, varandas ou garagens. Não encoste o maço na parede.
    Para rosas, corte o cabo e cuidadosamente, passe um arame de florista pelo centro de cada flor. Pendure de cabeça para baixo usando o arame e deixando um espaço entre as flores.
  • Glicerina
    O método consiste em substituir a água existente na planta pela glicerina. Demora aproximadamente 3 semanas.
    A planta deve estar bem hidratada e sadia. É excelente para folhagens como o eucalipto. Use duas partes de água e uma de glicerina. Para facilitar a mistura e absorção use água morna.
    Se for usar apenas folhas elas devem ser totalmente submersas na solução. Se usar galhos, amasse a ponta para facilitar a absorção e mergulhe a parte inferior no líquido.
    Após retirar da solução corte a parte que ficou mergulhada no líquido e pendure de cabeça para baixo por alguns dias para garantir que a glicerina chegue até às extremidades. A mistura de glicerina pode ser reutilizada várias vezes. Se desejar, acrescente corante de alimento na solução.
  •  
  • Prensagem
    Muito fácil, usado em geral para flores e plantas que serão coladas em cartões ou quadros pois elas ficam "chatas". Demora de duas a quatro semanas.
    Coloque as flores entre folhas de papel absorvente (jornal, lista telefónica antiga) formando um "sanduíche". Coloque o conjunto entre duas madeiras planas e um peso no topo.
  •  
  • Areia ou bórax
    Corte o cabo da flor. Coloque uma camada de 2 a 4 cm de areia no fundo do recipiente e faça uma depressão, coloque a flor com o cabo para baixo (rosas) ou para cima (margaridas) e faça uma ligeira pressão com a areia em volta para firmar a flor no lugar.
    Com a mão ou com uma colher, preencha delicadamente os espaços entre as pétalas com a mistura, começando pelas mais externas e mantendo a forma original.
    Cubra toda a flor. Coloque o recipiente aberto em local quente e seco por aproximadamente 2 semanas.
    No lugar da areia pode ser usado também uma parte de bórax e uma de farinha acrescentando-se 3 colheres de sopa de sal  para cada chávena da mistura. Flores secas com areia ficam muito frágeis, cuidado ao manusear. Use um pincel e delicadamente retire a areia que ficar nos vãos das pétalas.
  • Silicagel
    Proceda como a técnica da areia, cubra toda a flor e use um recipiente que possa ser hermeticamente fechado (tipo Tupperware).
    Vede com fita crepe ou coloque a vasilha dentro de um saco plástico, retire o ar do saco e lacre. A humidade da flor é absorvida rapidamente preservando as cores melhor que qualquer outro método. A maioria das flores seca em 36 a 48 horas.
    A silicagel é um produto químico utilizado para retirar a humidade de ambientes e objectos. Tem a aparência do sal grosso e muitas vezes pode ser encontrada em lojas de material fotográfico. Pode ser reaproveitada, bastando aquecê-la no forno baixo para retirar a humidade. Deve ser guardada em embalagem hermética.
  • Parafina
    Use flores frescas. Derreta a parafina, segure uma flor por vez pelo cabo e delicadamente mergulhe na parafina.
    Retire, sacuda gentilmente para tirar o excesso de cera e coloque no frigorífico para endurecer.
  • Autoria e outros dados (tags, etc)



    Posts mais comentados


    Arquivo

    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2011
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2010
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2009
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D





    Mais sobre mim

    foto do autor